16 jan. 15

Justiça libera multa a moradores de SP que gastarem água em excesso

Para evitar seca no Cantareira, Sabesp vai reduzir ainda mais a captação de água: “Tem que chover no lugar certo”, disse presidente da Sabesp.

A Justiça de São Paulo liberou, durante a noite desta quarta-feira (14), a cobrança de multa dos moradores que gastarem água em excesso. A cobrança tinha sido suspensa na terça-feira. E, apesar dos temporais, o nível das represas voltou a cair.

Cada dia falta água mais cedo no salão da Gorete de Almeida.

“Antes era às 7, depois passou para 6, depois 5, agora às 4. Daqui a pouco não vai mais ter água”, conta a cabeleireira.

Todo mundo conhece a cadeira usada para lavar os cabelos nos salões de beleza. Agora ela não serve para muita coisa, se não tiver água. E sem água também fica bem difícil manter o salão aberto. Então a Gorete, para não fechar as portas, teve que apelar pro balde d’água para lavar o cabelo das clientes.

“Está difícil trabalhar assim. Que a gente fica pegando balde de água para lavar as cabeças das clientes. Aí de repente não dá para lavar, a gente pede para elas virem com o cabelo lavado”, explica Gorete.

Em meio a falta d’água, o presidente da Sabesp, a companhia de água e esgoto de São Paulo, falou sobre racionamento no SPTV 1ª edição: “Quando a pessoa está sem água diversas horas, é evidente que essa pessoa está sob racionamento, isso é óbvio”, disse Jerson Kelmam, presidente da Sabesp.

O governador Geraldo Alckmin também admitiu que há racionamento em São Paulo, ao falar sobre a Agência Nacional de Águas e a quantidade de água retirada do Cantareira. “O racionamento já existe. Quando a ANA ela diz que você tem que reduzir de 33 pra 17 no Cantareira, é obvio que você já tá em restrição”, comentou Geraldo Alckmin, do PSDB, e governador de São Paulo.

Depois o governador mudou a declaração. “Não tem racionamento no sentido de ‘fecha o sistema e abre amanhã’. Isso não tem. E nem deve ter. Agora, restrição hídrica, claro que tem”, afirmou o governador de São Paulo.

Enquanto isso, o nível do Cantareira atingiu 6,3%. De acordo com a própria Sabesp, no pior cenário, a água do Cantareira pode secar em março. Daqui a um mês e meio. Para evitar isso, a Sabesp diz que vai reduzir ainda mais a captação de água, e que está preparando um plano de contingência. O presidente da companhia também espera ajuda dos céus.

“Tem que chover no lugar certo, em outras palavras, São Pedro, nós temos que torcer e rezar para que São Pedro melhore a pontaria”, disse o presidente da Sabesp.

O nível da represa Guarapiranga foi o único a subir nesta quarta-feira (14). Ela fica na área urbana da cidade, sujeita as ilhas de calor que provocam temporais.

Fonte: G1